A trajetória do homem com a luz

Saiba como aconteceu o surgimento da lâmpada

Os registros das primeiras velas datam  por volta de cinquenta mil anos antes de Cristo – Foto: www.triangulodafraternidade.com

Fogueiras, tochas, velas, lamparinas, lampiões, lâmpadas, abajures, lustres luminárias e lanternas. O ser humano já possuiu vários instrumentos para fazer com que o ambiente em que vive permanecesse iluminado. Sempre tivemos a necessidade de possuir luz em nossa morada e, por isso, na pré-história nossos antecessores, que moravam em cavernas, utilizavam tochas feitas de caules de árvores e gordura animal para obter luz.

A mudança na forma de possuir luz, que não fosse a do sol, começou a mudar por volta de 50 mil anos antes de Cristo, quando há registros de uma espécie de vela. Eram pratos com gordura animal e um pavio que queimava e só depois de Cristo que surgiram as velas em forma de bastão que conhecemos hoje. Na idade média esses objetos serviam para iluminar todos os locais. Elas passaram de artigos de luxo para o consumo de toda a sociedade.

Depois da vela, surgiu a lamparina. Um recipiente onde era colocado óleo de baleia e um pavio encravado num pedaço de cortiça que gerava a chama. Logo após, veio o lampião. A chama, protegida por um tubo de vidro, era produzida do mesmo jeito que a lamparina. O ganho de luminosidade acontecia graças à circulação de ar dentro do tubo, tornando a chama mais brilhante.

O lampião era feito primeiramente de argila e depois substituído por metal. Em 1807, descobriu-se um meio de utilizar o gás para acendê-lo e foi aí que as ruas de Londres foram iluminadas pela primeira vez com lampiões. Já no Brasil, foi em 1851, que o Barão de Mauá, também conhecido como Visconde de Mauá, iniciou a iluminação de ruas com o lampião a gás. Ele morava na cidade de Mauá que fica a 35 quilômetros da cidade de São Paulo.

O filamento presente dentro das lâmpadas possui vida útil, depois de um período de uso ele se rompe e dizemos que a lâmpada queimou – Foto: www.hypescience.com

No fim do século 19 houve um acontecimento decisivo para a evolução da energia elétrica no mundo. Em 1879 o cientista norte-americano Thomas Edison, após várias tentativas, revolucionou a eletricidade. A intenção de Edison foi substituir justamente o antecessor da lâmpada, o lampião a gás. “Em 1802 foi produzido o primeiro filamento gerando fonte luminosa com platina, mas o que Thomas Edison fez foi se aproveitar da corrente elétrica para que o filamento ficasse incandescente. Isso foi possível porque ele isolou o filamento do oxigênio por meio de um bulbo de vidro”, conta o professor de física, doutorando em educação, Daniel Alberto Machado Gonzáles, que também explica que antes de Edison já existia a eletricidade, mas ainda não era utilizada em casas.

Assim, foi fabricado o primeiro aparelho elétrico: a lâmpada, que é uma das mais importantes mudanças na história da humanidade. Depois do aperfeiçoamento dessa invenção, em 1881, foi instalada na cidade de Nova Iorque mais de sete mil lâmpadas elétricas que iluminaram um bairro inteiro sem a necessidade de que pessoas ficassem acendendo e apagando cada uma delas, como acontecia com os lampiões.

As lâmpadas que utilizamos hoje são muito diferentes daquelas da época de Edison. “A principal diferença entre as lâmpadas está no filamento, que inicialmente eram de carbono ou ligas metálicas. Isso reduzia as horas de atividade. Hoje é usado tungstênio que tem uma alta temperatura e assim não entra em combustão, além disso, o ar com oxigênio também foi substituído por nitrogênio, argônio e até criptônio”, finaliza Gonzáles.

5 Comments:

  1. Obrigada, me ajudou num trabalho!

  2. gostaria de saber o autor do texto, para citação no meu trabalho.
    obrigada
    Manoela

  3. Eu poderia ter aproveitado mais , porém o enrique e o Rafael não cala a boca e por isso não consigo prestar atenção na leitura e em consequência não consigo estudar para um trabalho muito importante que provavelmente irei acabar fazendo tudo.

  4. Eu poderia ter aproveitado mais , porém o enrique e o Rafael não cala a boca e por isso não consigo prestar atenção na leitura e em consequência não consigo estudar para um trabalho muito importante que provavelmente irei acabar fazendo tudo..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.