Unicentro e Universidad Tomás Frías, da Bolívia, iniciam parceria através da Rede Zicosur

Reitores Aldo Nelson Bona e Luis Ferrufino Terceros

O processo de internacionalização da Unicentro a cada ano ganha mais força. Um dos facilitadores é a Rede Zicosur Universitário que reúne 35 instituições de Ensino Superior do Brasil, Argentina, Paraguai, Bolívia, Chile e Peru. Em mais uma ação fruto desta parceria, a Unicentro recebeu a visita do reitor Luis Ferrufino Terceros e da diretora de Relações Internacionais, Rosário Vasquez, da Universidad Autonoma Tomás Frías (UATF), da Bolívia.
O reitor da Unicentro, professor Aldo Nelson Bona explica que a visita representa o estreitamento de conversas iniciadas na Plenária da Rede Zicosur em Salto Del Guaira, no mês de outubro do ano passado. “Nos conhecemos e percebemos que há possibilidades de cooperação entre as nossas instituições, temos formações e carreiras em comum, temos desafios similares e também diferenças que podem agregar muito na perspectiva da realização de intercâmbios. E o diálogo foi neste sentido, de nos comprometermos de imediato com a realização de intercâmbios de estudantes de graduação, e cooperação para a pós-graduação”, complementa.

A UATF está localizada em Potosí, no sudoeste da Bolívia, aos “pés” da Cordilheira dos Andes e tem uma altitude de 3.600 metros. Lá localiza-se o Salar de Uyuni, que é o maior deserto de sal do mundo. Suas paisagens belíssimas são, certamente, fonte de exploração turística. Além disso, no Salar fica a maior reserva do mundo (70%) de lítio (elemento químico usado na fabricação de celulares), cuja extração é ao mesmo tempo rentável e poluente. São essas características que os levaram a buscar a aproximação com a Unicentro, procurando selar parcerias para o desenvolvimento de projetos conjuntos.

Visita aos laboratórios de Engenharia Ambiental

Durante a visita a Irati, o reitor Terceros e a diretora de Relações Internacionais foram recepcionados pela Direção do Campus e por professores dos departamentos de Turismo e Engenharia Ambiental, cursos que despertaram o interesse da comitiva boliviana. Para o diretor do campus, professor Afonso Figueiredo Filho, é preciso olhar para os intercâmbios de uma nova forma. “Sempre as universidades brasileiras tiveram a preocupação de fazer intercâmbios com universidades europeias, americanas ou canadenses, raramente nos preocupamos em fazer intercâmbio com nossos vizinhos. Existem muitas possibilidades aqui por perto e deveríamos dar muito mais atenção porque há um fator muito relevante que é a língua”, destaca Afonso.
No Departamento de Engenharia Ambiental, os visitantes puderam conhecer os laboratórios do curso e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental. Um dos interesses dos bolivianos é conhecer novas tecnologias para o tratamento de efluentes que possam minimizar os impactos causados pela extração de prata, estanho e outros minerais.

Eles têm muitos problemas ambientais – uma série de impactos -, pois com a mineração são produzidos efluentes que contaminam os rios, que deságuam no Paraguai. Então, eles estão tendo um problema de ordem até legal e de relação do país por conta dessa contaminação. Neste sentido, o laboratório trabalha aqui com diversas tecnologias visando minimizar estes impactos. Os visitantes conheceram nossa estrutura e como eles estão implantando também laboratórios de pesquisa na instituição, pretendem fazer parcerias no sentido de trazer alunos de graduação da Bolívia para cá e, através do intercâmbio, nossos alunos também poderão compartilhar da estrutura da universidade lá na Bolívia”, conta a chefe do Departamento de Engenharia Ambiental, professora Jeanette Beber de Souza.

Reunião junto aos professores do Departamento de Turismo

Já no Departamento de Turismo, as possibilidades de parceria se dão pelo potencial da região de Potosí, que pode despertar interesse através da cultura, gastronomia, religião, área rural e do ecoturismo. “Pudemos perceber que a Universidade da Bolívia está bastante aberta a receber algum tipo de auxílio e um intercâmbio de informação, de conhecimento. Acreditamos que as possibilidades são diversas, desde mobilidade acadêmica até a interrelação com pesquisas e algumas investigações feitas em parceria”, vislumbra o chefe do Departamento de Turismo, Diogo Lüders Fernandes.
Após um dia em Irati, a comitiva boliviana seguiu para Guarapuava onde visitou os campi Santa Cruz e Cedeteg. No primeiro, foi realizada uma reunião de trabalho para a formalização da parceria entre as universidades e suas primeiras ações. No segundo, tiveram a oportunidade de conhecer mais estruturas da Unicentro como a Clínica Escola de Medicina Veterinária, os locais de atendimento aos animais de pequeno e grande porte, a leiteria e o serviço de atendimento a animais selvagens.
“Essa visita do professor Luis e da professora Rosario traz muita visibilidade aos nossos cursos e ao nosso campus porque, pelo que percebemos, as áreas que eles estão mais interessados são áreas que estão aqui no campus Cedeteg. Nós sabemos que os nossos países aqui da América do Sul são parceiros do Brasil, então essa aliança, esse comprometimento entre eles é bastante importante”, avalia o diretor do campus Cedeteg, professor Fábio Hernandes.

Segundo o coordenador institucional da Rede Zicosur na Unicentro, professor Marcio Fernandes, um dos desdobramentos da visita possivelmente será a participação de docentes do Departamento de Medicina Veterinária no novo Mestrado em Veterinária da UATF que, segundo o reitor Terceros, está em fase de criação. Também aventou-se a possibilidade de que alguns programas de pós-graduação da Unicentro, como Agronomia, abram vagas especiais nos cursos de Mestrado e Doutorado, ainda neste ano, para que ex-alunos da UATF possam concorrer.
“Nas próximas semanas, o ERI (Escritório de Relações Internacionais) lançará um edital, dentro do acordo de mobilidade Zicosur, oportunizando duas vagas de intercâmbio para alunos da Unicentro e uma vaga para professor em direção a UATF. Os processos de mobilidade ocorrerão entre o final do primeiro semestre letivo de 2017 e o início do segundo. Em sentido contrário, a Unicentro deverá receber, no segundo semestre, dois estudantes da UATF e um professor. Em todos os casos, as áreas dos alunos e professores que poderão concorrer serão definidas em breve entre as duas universidades”, ressalta Fernandes.
O reitor Terceros reiterou a vontade da UATF em iniciar o intercâmbio entre as universidades ainda este ano. “A Universidad Autonoma Tomás Frías, assim como a Unicentro, faz parte da rede Zicosur, o que nos permite intercambiar estudantes sem nenhuma dificuldade. O que estamos buscando é a internacionalização que é o mais importante, pois possibilita que os jovens que estão começando a sua vida profissional possam conhecer novas realidades”, conclui o reitor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Eventos

Não há eventos futuros