Araucaria bidwillii Hook. Pinheiro-bunya-bunya

Araucaria-1

Foto 1 –  megastróbilos globosos pinhas.Araucaria-2

Foto 2 – megastróbilos globosos pinhas.pinheiro

Foto 3 – Vista geral da espécie.Araucaria-6

Foto 4 – Detalhe da copa da espécieAraucaria-3

Foto 5- Detalhe do tronco

Família: Araucariaceae.

Nome científico: Araucaria bidwillii Hook.

Nomes populares: pinheiro-bunya-bunya

DESCRIÇÃO DA ESPÉCIE

Conífera perenifólia originária da Austrália (Queensland). Sua copa altura atinge até 45 m e seu tronco atinge 1 a 1,2 metros de largura.

Folhas: Dispostas em fileiras, espiraladamente, lanceoladas, duras brilhantes,estreitas, de cor verde clara com 2,5 a 5 cm de comprimento, com ponta curva e pontiaguda.

Casca: castanha acinzentada, grossa ,áspera.

Fruto: megastróbilos globosos pinhas.

Polinização: anemocórica (pelo vento).

Sistema sexual:  as coníferas do gênero  araucária são geralmente  dioica,raramente monoica. Segundo Jerome Klaas Vanclay professor de Silvicultura Sustentável da Southern Cross University e Coordenador da IUFRO . O Pesquisador  Australiano, em Palestra no ano  de  2019, afirmou  que a espécie produz estróbilo masculino e feminino na mesma, planta o que caracteriza como uma planta, Monoica. Porem diversos autores dizem que é Dioica.

Dispersão: zoocórica,como o gambá Montanha Brush-cauda, Trichosurus caninus (Smith et al., 2007), ou hidrocórica.

Utilização: usada em marcenaria, os pinhões são fonte de alimentação para a população nativa, consumida, crua, cozida ou assada como uma espécie de pão.

Bibliografia consultada

LORENZI, H. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2003.368 p.

20 pensou em “Araucaria bidwillii Hook. Pinheiro-bunya-bunya

  1. Tenho grande interesse nesta árvore que se parece muito com a nossa araucária e com a araucária do sul do Chile. Sou da cidade de Brumadinho em Minas Gerais; pergunto é possível adquirir mudas? Sabem me dizer quem comercializa, ou seja onde posso encontrar ?

  2. As CONIFERAS são das plantas do periodo Jurássico, esta especie Australiana Bunia , Araucária Bidwillii, acredito eu, ser de região de clima temperado ou quente. Gostaria de saber, então, se estas Araucárias Australianas se desenvolvem em Goiás, Tocantins, Mato Grosso, ou se melhor adaptam nas regiões mais frias ou em ambas. Isto é muito importante para incentivar o cultivo em todo Brasil, se for o caso. Onde podemos adquirir mudas no Brasil .

    • Jack Juarez Minikoski as coníferas estão muito associadas ao clima mais frio e grandes altitudes, a gente fez uma pesquisa junto com a Embrapa Florestal em Foz do Iguaçu-PR e a nosso pinheiro-do-paraná foi um fracasso, esta planta que tirei foto é de Rolândia-PR,clima quente, produz pinha mas não frutifica devido não ter a planta macho. Mas acredito que deve ser plantada como ornamental obrigado pelo acesso. Gerson Luiz Lopes

      • A Araucária australiana não precisa de ter planta macho, pois ao contrário da nossa araucária, ela produz tanto os cones masculinos (mingotes) como os femininos (pinhas) na mesma árvore (monóica). O que ocorre é que a árvore começa a produzir primeiro somente as pinhas, por volta dos 15 anos de idade, e os mingotes surgem mais tarde, por volta dos 25 anos.

  3. Olá, tudo bem? Sou de Garibaldi/RS, tenho um único pé dessa espécie de araucária, ganhei a semente de um amigo, deve ter lá seus 15 a 17 anos, nesse ano começou a produzir varias pinhas, maravilhosas e bonitas porém o seu fruto é vazio por dentro, acredito que seja por falta do macho, achei interessante a postagem do Mauricio Valle e gostaria de saber se procede, pois me parece que faz sentido. Agradecido

    • Antônio Gallo Candatem, essa espécie fotografada também tinha pinhas mas nunca deu pinhão,visitei algumas outras,e também vi a mesma, situação, mesmo no Pinheiro-do-Paraná, acontece a mesma coisa. Aconselho você a perguntar ao Sr Mauricio Valle, qual literatura descreve , sendo uma espécie exótica fica mais difícil porque não tem Literatura. Mas agradeço sua visita vamos pesquisar. Gerson Luiz Lopes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *